Pesquisar este blog

sábado, 29 de outubro de 2011

Roupas... e mais roupas!

Ainda sobre roupas...


Tapa no modelão

Já parou para pensar o trabalho que dá fazer a manutenção das roupas de casa? Não só os modelões, mas também a roupa de cama, mesa e banho? Eu aprendi a lavar roupa na mão numa época em que lavadora de roupas era coisa de televisão, totalmente fora da nossa realidade. Chego a me lembrar do ferro a carvão deslizando sobre os lençóis sob o comando de Dona Tereza, uma lavadeira robusta que tínhamos lá na Rua Ipiranga - aliás, para manipular aquele troço tinha mesmo que ser bem robusta porque, meu Deus, como era pesado aquele ferro!

Na casa da minha infância o coaradouro também era um costume. Coarar roupa era expô-la ao sol ensaboada com sabão de pedra, umedecendo e esfregando as peças de vez em quando, pois poucas são as sujeiras que resistem a um coaradouro. Depois eram enxaguadas para serem finalmente lavadas com sabão em pó (não me lembro se havia amaciante na época). Manchas eram inadmissíveis e o branco tinha que ser, no mínimo, imaculado.

Hoje em dia tudo mudou. Não há mais muitos quintais, e consequentemente coaradouros; não há mais varais ao sol, mas ao vento, nas áreas de serviço; o branco não é mais imaculado, e lavar roupa à mão é doideira, aliás, eu já disse aqui e repito: a lavadoura de roupas é a melhor amiga da mulher moderna!

Este post me ocorreu no momento em que eu pendurava camisetas de malha no varal e achei que a dica de como pendurá-las de maneira a não deformá-las podia se útil. Uma coisa puxou a outra, eu evolui para outros cuidados com as roupas de forma geral, e saquei que podia dar outras pequenas dicas capazes de ajudar as comadres, especialmente as iniciantes, a organizar melhor este quesito, poupando tempo, otimizando espaço e preservando melhor as peças. Vejamos...

1- Quando tiramos a roupa que vai para a lavagem, elas estão pelo avesso e esta é a melhor maneira de mandá-las para o cofo (ou cesta de roupa suja) e também para a lavadora. Não custa nada dobrar as peças (mantendo-as pelo avesso) para otimizar o espaço do cesto. Quando a roupa vai para o cofo embolada ocupa muito mais espaço. Vai que a roupa se acumula e começa a transbordar? Ó o mico da comadre empurrando a roupa para caber no cesto!

2- Antes de lavar a roupa, é necessário separá-la: brancas e cruas; coloridas; grossas como jeans e brim; roupa de cama e toalhas; as delicadas que precisam de lavagem a mão... esta é a hora de avaliar também quais as peças que precisam de pré-lavagem - aquelas muito sujas ou com manchinhas que a máquina não tira. Uma vez separadas, lava-se seguindo a lógica da separação, para evitar que manchem, de acordo com as orientações do fabricante.

3- Lave as roupas pelo avesso, assim você poupa a sua face externa de maiores desgastes e pode minimizar pequenos acidentes como gotas de alvejante ou manchas de outra peça que, por ventura, solte alguma tinta.

4- Uma vez lavadinhas, é pendurar. Por muito tempo eu pendurei as roupas de ponta cabeça, até perceber que esta maneira deformava algumas peças, especialmente as camisetas de malha. Observe as primeiras fotos que ilustram este post: penduradas pelas barras o peso da peça molhada + a força da gravidade vai fazer com que as camisetas fiquem com pontas. Já pendurando-as pelos ombros esse risco praticamente não existe, especialmente depois de passadas, sem falar que é uma parte que se encaixa nos ombros, e desta vez a gravidade ajuda. Para as peças finas, o ideal é usar cabide para evitar marcas de prendedor, especialmente em tecidos que não precisam ser passados a ferro ou que só podem ser passados com ferro em baixa temperatura.

5- As peças devem continuar pelo avesso para serem passadas a ferro, pelos mesmos motivos da máquina: para pouparmos as suas fibras de maiores desgastes, e mais ainda, evitar queimadura em estampas e o desbotamento contínuo causado pela ação das altas temperaturas, que vão queimando, literalmente e aos poucos, as peças. Depois de passadas sim, desavesasse e dobra-se.

A forma de dobrá-las dá um outro post. Tive que catequizar todas as pessoas que trabalharam na minha casa neste sentido, pois umas colocavam vinco em calça, outros dobravam as camisetas ao meio na vertical, marcando-as por demais; outras dobravam uma toalha de cada forma de maneira que elas não cabiam na gaveta que poderia comportá-las com conforto... enfim... pode parecer um detalhe banal, mas dobrar roupa também tem manha. E tem mais: a forma de passá-las a ferro também é um capítulo inteirinho a parte!

Enfim, comadres, é coisa viu? É coisa nesse mundão doméstico de meu Deus!