Assine para receber os posts em sua caixa de e-mails

INFORME SEU E-MAIL AQUI:

Delivered by FeedBurner

Pesquisar este blog

segunda-feira, 21 de março de 2016

COMO NÃO FOI DEUS QUE FEZ O SOFRIMENTO



 

COMO NÃO FOI DEUS QUE FEZ O SOFRIMENTO


Deus, infinitamente bom, criou o homem para a felicidade e quer que ele seja feliz na terra e na eternidade. Por que motivo, pois, sofremos tanto neste mundo? A religião cristã, e só ela, dá-nos a chave desse mistério.


Enquanto era inocente, o homem não conheceu o travor do sofrimento: ERA PLENAMENTE FELIZ NO PARAÍSO TERRESTRE. De feito, o sofrimento é apenas consequência do pecado, o homem sofre porque tornou-se pecador.
 

Como a sombra acompanha o corpo, assim o sofrimento acompanha o pecado. Nem sempre o acompanha imediatamente; às vezes até parece ser-lhe remitido neste mundo; porém, cedo ou tarde virá, e tanto mais terrível, quanto mais retardado.


O sofrimento entrou no mundo pela porta do pecado e aí permanecerá enquanto este reinar, a saber, até o Juízo Final. Cumpre compreender isto uma vez por todas e não atribuir a Deus o que Dele não procede.

 
Deus não é o autor do sofrimento, das desgraças, das lágrimas, assim como não é autor do pecado. Foi o homem, o próprio pecador que se reduzia a tão triste condição.


E é porque descendemos do homem pecador, do homem decaído, que jazemos no estado de miséria e de decadência em que ele se despencou. (...) Em suma, somos condenados neste mundo ao sofrimento porque somos pecadores.



NOTA: (1) A religião cristã que menciona o autor é UMA SÓ, é a religião CATÓLICA, a única verdadeiramente cristã, as demais seitas heréticas que se autodenominam "cristãs" são apenas falsas religiões inventadas por mentes pervertidas a serviço do demônio.

***
Excerto do livro "Aos que sofrem consolações" - Mons. de Ségur




Visite nossos blogs associados:
+
Informe seu e-mail para receber as publicações de VIRTUDES FEMININAS: Delivered by FeedBurner.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Este blog é eminentemente de caráter religioso e comentários que ofendam os princípios da fé católica não serão admitidos. Ao comentar, tenha ciência de que os editores se garantem o direito de censurar.