Assine para receber os posts em sua caixa de e-mails

INFORME SEU E-MAIL AQUI:

Delivered by FeedBurner

Pesquisar este blog

segunda-feira, 18 de abril de 2016

PROVIDÊNCIA E FÉ



 

 

 

 

PROVIDÊNCIA E FÉ




A doutrina da Providência significa que Deus governa os acontecimentos do mundo tendo em vista a nossa salvação eterna. Os fatos não têm, pois, outra significação. Mas como não vemos a salvação nem as consequências da ação providencial, somos impotentes para os julgar




A Providência intervém em todos os acontecimentos e não apenas nos acasos felizes. Do ponto de vista da minha salvação eterna, pode ser que seja mais vantajoso para mim ser pobre do que ser rico. E talvez seja a perda da fortuna ou da saúde que decida a minha salvação eterna.



Quando se considera a salvação como polo, o caráter dos acontecimentos modifica-se. Como não sabemos o fim da nossa vida nem da dos outros na eternidade, não podemos interpretar os desígnios da Providência de maneira certa, e como tudo é igualmente providencial, a distinção feita entre acontecimentos providenciais e não providenciais manifesta a nossa ignorância do dogma católico.



Conhecemos a Providência pela fé, e esta fé enche-nos a alma de uma paz que nos leva a viver acima de todos os acontecimentos. Sabemos que tudo quanto sucede, bom ou mau, é instrumento de santificação e salvação. Sabemos isto da maneira mais certa, e nenhum acontecimento, por grande ou pequeno que seja, escapa a esta empresa providencial. Esta doutrina magnífica, entusiástica, radicalmente estranha à concepção vulgar da Providência como portadora da cornucópia ou como velha avó “coruja”.










Excertos do livro “Valores Cristãos” de Jacques Leclercq




Visite nossos blogs associados:
+
Informe seu e-mail para receber as publicações de VIRTUDES FEMININAS: Delivered by FeedBurner.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Este blog é eminentemente de caráter religioso e comentários que ofendam os princípios da fé católica não serão admitidos. Ao comentar, tenha ciência de que os editores se garantem o direito de censurar.