Assine para receber os posts em sua caixa de e-mails

INFORME SEU E-MAIL AQUI:

Delivered by FeedBurner

Pesquisar este blog

segunda-feira, 29 de maio de 2017

Necessidade da mortificação externa do nosso corpo.


Cena da mortificaçãp do corpo  de Santa Rosa de Lima em uma pedra de Huamanga do Convento de Ocopa (Junín, Peru). 




"A mortificação externa consiste em se fazer e sofrer o que contraria os sentidos exteriores e em se privar daquilo que os lisonjeia. 

Enquanto ela é necessária para evitar o pecado, é de obrigação absoluta para cada cristão

Se se trata de coisas que licitamente se podem desfrutar, a mortificação não é obrigatória, mas é muito útil e meritória

Contudo, deve-se notar aqui que, para aqueles que tendem à perfeição, a mortificação nas coisas lícitas é absolutamente necessária.

(...)

Devemos tratar o nosso corpo como um cavaleiro trata um cavalo bravio, puxando-lhe fortemente a rédea para que não o derrube, ou como o médico que, estando a tratar de um doente, prescreve remédios que lhe são desagradáveis e proíbe-lhe comidas e bebidas nocivas, que ele apetece. Sem dúvida alguma, seria cruel um médico que permitisse ao doente deixar os remédios prescritos por serem amargos e tomar outros, nocivos, por lhe agradarem. Quanto maior não é, pois, a crueldade de um homem sensual, que quer poupar a seu corpo todos os desgostos nesta vida, e expor, assim, sua alma e seu corpo, ao perigo de ter que sofrer por toda a eternidade penas imensamente maiores."


“As Excelências da Mortificação”
Santo Afonso Maria de Ligório

Excerto do livro Escola da Perfeição Cristã




 
Visite nossos blogs associados:
+
Informe seu e-mail para receber as publicações de VIRTUDES FEMININAS: Delivered by FeedBurner.

2 comentários:

  1. Muito bom! Ela é necessária e ajuda a evitar pecado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, é uma arma que temos para fugir do pecado e também nos ajuda a reparar nossos pecados.

      Excluir

Este blog é eminentemente de caráter religioso e comentários que ofendam os princípios da fé católica não serão admitidos. Ao comentar, tenha ciência de que os editores se garantem o direito de censurar.