Assine para receber os posts em sua caixa de e-mails

INFORME SEU E-MAIL AQUI:

Delivered by FeedBurner

Pesquisar este blog

terça-feira, 18 de julho de 2017

O que a mulher deve fazer pela religião.




"Se se quisesse revolver a História, ver-se-ia que no começo de todas as grandes épocas religiosas paira uma forma misteriosa, quase celeste, sob a figura de uma santa!

Foi Santa Helena quem, ao sair das catacumbas, deu ao antigo mundo romano a cruz por ela encontrada.

Foi Santa Clotilde quem a depositou no berço do mundo moderno e quem, convertendo o seu "orgulhoso Sicambro", trouxe a Gália à Fé.

Foi Santa Genovena quem salvou Paris, e quiçá a França.

Foi Santa Mônica que nos deu Santo Agostinho (suas ações e orações obtiveram a conversão de tão grande santo).

Foi Santa Joana d'Arc, pequena pastorinha das lindes da Lorena, quem "botou para fora" o invasor e salvou seu país!

Foram Santa Hildegarda, Santa Catarina de Sena e Santa Teresa que, muito melhor do que a maioria dos doutores de seu tempo, nos conservaram a tradição de uma filosofia sã e vivificadora.

E assim por diante, através das idades!

Voltaire, a quem esse fenômeno admirou, foi obrigado a confessar que "metade da Europa deve às mulheres o seu cristianismo".

E vós, "Filha de Deus", haveríeis de crer que nada podeis fazer, e que não tendes de defender essa religião que tão bem vos defendeu?

Deveis, pois, ser fiel a esse primeiro dever de pregar a verdade fazendo-a amar. Mas deveis também defendê-la, pois bem sabeis como a atacam em toda a parte."


Excerto do livro recomendadíssimo: "Formação da Donzela"
Pe. José Baetman


link para quem quiser fazer download do pdf do livro: 
https://1drv.ms/b/s!ApPTTnl552mzlWTVO9ReeB2TayFI



 
Visite nossos blogs associados:
+
Informe seu e-mail para receber as publicações de VIRTUDES FEMININAS: Delivered by FeedBurner.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Este blog é eminentemente de caráter religioso e comentários que ofendam os princípios da fé católica não serão admitidos. Ao comentar, tenha ciência de que os editores se garantem o direito de censurar.