Pesquisar este blog

sexta-feira, 10 de janeiro de 2014

AOS AVARENTOS

Soneto de António Lobo de Carvalho, poeta vimaranense do séc. XVIII

Ilustração do Almanach de Lembranças Luso-Brasileiro Para o Ano de 1860.


AOS AVARENTOS


Maldito seja, seja excomungado,
Aquele horrendo mísero jarreta,
Que cheia de dobrões tendo a gaveta,
Nem somente um real dá emprestado!



Permitia o céu que a moça e o criado
Algum furto lhe façam com tal treta,
Que o misérrimo vil, como escopeta.
Arrebente de estouro, exasperado!

Veja enfim por castigo derradeiro.
Quando estiver já quase moribundo,
A festa que se faz ao seu dinheiro.

E padecendo as penas do profundo,
O diabo lhe conte quanto o herdeiro
Se regala com ele cá no mundo!

António Lobo de Carvalho.

 

[in Almanach de Lembranças Luso-Brasileiro Para o Ano de 1860, Tipografia Franco-Portuguesa, Lisboa, 1859, pág. 344]

Visto em: http://araduca.blogspot.com.br/2009/12/soneto-de-antonio-lobo-de-carvalho.html.


+
Informe seu e-mail para receber as publicações de VIRTUDES FEMININAS: Delivered by FeedBurner.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Este blog é eminentemente de caráter religioso e comentários que ofendam os princípios da fé católica não serão admitidos. Ao comentar, tenha ciência de que os editores se garantem o direito de censurar.