Assine para receber os posts em sua caixa de e-mails

INFORME SEU E-MAIL AQUI:

Delivered by FeedBurner

Pesquisar este blog

quinta-feira, 31 de dezembro de 2015

Vivendo e aprendendo - dicas para começar este novo ano!


TREINANDO A GRATIDÃO








Pegue uma jarra ou um pote vazio e coloque no seu quarto. 

Toda vez que alguma coisa boa acontecer com você, não importa quão pequena seja, contando que tenha te feito sorrir, escreva em um papel porque você está feliz, dobre o papel e coloque no pote. 

No último dia de 2016 esvazie ele e veja quantos pequenos presentes Deus lhe deu. Agradeça!

Faça isso todos os anos para cultivar o hábito da GRATIDÃO.





 

 

OS DEZ COMPONENTES DA RESILIÊNCIA

 

 




1. Comprometimento não ambivalente com a vida - A característica comum e fundamental das pessoas resilientes é a crença transcendente que lhe dá paixão e coragem para voltar sempre. Elas não perdem tempo questionando se a vida vale ou não vale a pena ser vivida. Elas acreditam que vale!

2. Autoconfiança - Resilientes compreendem o mundo que os cerca, estabelecem metas realistas nesse mundo e desenvolvem as capacidades necessárias para alcançar seus objetivos. É essa confiança que lhes dá força psicológica para lutar por suas aspirações sem nunca perder o senso de integridade. Os problemas e mudanças que a vida lhes apresenta são como oportunidades para que cresçam e aprendam, não as ameaçam ou ferem e não devem ser evitadas ou delegadas a ninguém mais.

3. Adaptabilidade - Pessoas adaptáveis alteram seus hábitos pessoais e profissionais quando necessário. Tendem a ser cooperativas e evocam respostas positivas das pessoas a seu redor.

4. Desembaraço - Pessoas resilientes são cientes dos recursos para a solução de problemas e onde encontrá-los. Sabem como e quando procurar a ajuda de familiares, amigos, colegas, instituições educacionais e outros.São criativas e inventivas na medida em que se servem dos recursos para resolver problemas.

5. Disposição para arriscar - Nem sempre é possível antever o resultado de uma ação ou de um comportamento, particularmente em situações complexas. Por essa razão, muitas vezes uma ação ou uma decisão são arriscadas. A pessoa resiliente nem sempre age "com segurança", mas assume riscos inteligentes, centrados em possibilidades reais e bastante chance de sucesso.

6. Aceitação de responsabilidade pessoal -
Indivíduos resilientes são muito bem fundamentados filosófica e psicologicamente, na sua autodeterminação. Nunca se dispõem ao papel de vítimas. Se erram, assumem e transformam os erros em experiências de aprendizado.

7. Perspectiva - Os resilientes sabem o que é e o que não é importante. Investem sua energia em tentativas sérias. Muito frequentemente são dotados de bom senso de humor, que usam para aliviar a dor e a tensão em situações de conflito.

8. Abertura a novas ideias - Os resilientes absorvem com avidez e sem preconceito novas informações: investigam, avaliam, selecionam e estocam as novas informações para o futuro. Estão sempre abertos a tudo que possa incrementar sua capacidade de aprender e adaptar-se.

9. Disposição a ser proativo - A resiliência é mais proativa que reativa. Os resilientes determinam mudanças com ação positiva, sem esperar que o único recurso possível seja a reação a ações já desencadeadas por outros. Nada se paralisa por medo do desconhecido, da confusão, das crenças inflexíveis ou da convicção de que "nada pode ser feito". Tudo pode funcionar num sentido de ação orientada.

10. Atenção - Pessoas resilientes prestam atenção ao mundo ao seu redor e sempre consideram as outras opiniões. Ouvem-nas com muita atenção. Traçam o plano de ação que contemple todas as perspectivas além de sua própria.





***

Fonte: Resiliência Humana
 




Visite nossos blogs associados:
+
Informe seu e-mail para receber as publicações de VIRTUDES FEMININAS: Delivered by FeedBurner.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Este blog é eminentemente de caráter religioso e comentários que ofendam os princípios da fé católica não serão admitidos. Ao comentar, tenha ciência de que os editores se garantem o direito de censurar.